24
11 / 2017
0 Novos artigos

Destaques

Grupo Lista

No Como Chegar de hoje vamos falar sobre o Pico do Jaraguá, um dos pontos mais altos do estado e com mirantes de tirar o fôlego. Começamos falando das trilhas...
Trilha do Pai Zé e trilha da Bica são os caminhos mais famosos de um parque que muita gente vê de longe (um morro cercado de verde visível desde a zona oeste até a zona norte de São Paulo), mas poucos visitam o local. São dois pontos de entrada no parque: um que leva pra torre/mirantes e outro caminho que leva para o parque com churrasqueiras, campos de futebol de areia e quadras. Fique atento, normalmente existe uma confusão natural entre as entradas.
Conhecido por ser o ponto mais alto da região metropolitana, o Parque Estadual do Jaraguá tem trilhas que levam ao pico de 1.135 metros de altitude e ao mirante, onde a vista privilegiada da cidade e dos arredores já vale o passeio. Ao longo dos caminhos é possível observar, além de lagos e nascentes, animais silvestres em seu habitat natural.
É um parque urbano, que figura entre um dos mais representativos deste gênero no Brasil. Criado em 1961 e tombado como patrimônio da humanidade pela Unesco em 1994, possui significado histórico, tendo se constituído em foco de várias representações sociais paulistas. Hoje costuma ser mais lembrado por portar várias antenas de televisão em seu pico, sem isso significar a perda de sua beleza, pois ainda é um dos cartões postais da cidade e ponto referencial do paulistano.
Criado em 1961, a área tem atividades para adultos e crianças. São churrasqueiras, quadras, playgrounds, albergue, lanchonete, pavilhão e anfiteatro à disposição do visitante. É possível chegar ao Pico do Jaraguá de carro pela estrada turística. Infelizmente registros fotográficos profissionais da antena e filmagens não são permitidos, -caso ainda deseje o registro- faça com discrição e evite a ação dos guardas locais.
As opções de Como Chegar são automóvel ou coletivos, sendo a primeira opção mais rápida e, nesse caso específico, mais econômica. O tempo de viagem do centro de Osasco até a entrada do Pico é menor que 40 minutos e o investimento é inferior a 20 reais de combustível. De coletivo, serão necessárias 2 horas e meia e um investimento de 18 reais (ida e volta por pessoa).
Veja no mapa abaixo o melhor caminho para chegar no Pico do Jaraguá partindo de Osasco;

Trajeto de carro


Exibir mapa ampliado

Trajeto de coletivo


Exibir mapa ampliado

A Prainha Branca é um reduto alternativo próximo ao limite entre Bertioga e Guarujá. Abriga elementos culturais e representativos das comunidades caiçaras, e foi tombado como patrimônio arqueológico, etnográfico e paisagístico em 1992.

No como chegar dessa semana, vamos conhecer detalhes da Praia Branca e aspectos especiais como um palco para suas expedições e aventuras. O local é uma praia de tombo.

Como é a primeira vista? De um lado e do outro da praia temos formações rochosas interessantes, já é uma tradição ir dar uma passeada nas pedras, esticar uma esteira sobre uma daquelas enormes rochas e se bronzear, ouvindo de perto as ondas quebrando.

Se você gosta de surfar, em frente ao Cantão será o local ideal e com certeza você vai encontrar boas formações de ondas. Se prefere nadar suavemente, mais adiante próximo a ilha da Prainha Branca você encontra águas calmas para uns bons mergulhos.

A Prainha Branca fica na cidade de Guarujá e seu melhor acesso se dá pela cidade de Bertioga através de travessia de balsa, possível também indo pela cidade de Guarujá pela Rodovia Ariovaldo de Almeida de Viana, em ambos os trajetos –pela falta de transportes públicos na região- é indicado utilizar carro. Para o trajeto de Osasco até Prainha Branca de ônibus você deverá ir até Bertioga, posteriormente utilizando a balsa gratuitamente.

O local permite campings (média de R$15,00 por dia/pessoa), conta com pousadas simples e confortáveis (média de R$60,00 por dia/pessoa) e restaurantes com preços reduzidos.

Nossa sugestão; Se você for de carro, utilize a rota alternativa saindo do Guarujá (partindo do Balneário Praia do Perequê) e seguindo até o final da Rodovia Ariovaldo de Almeida de Viana (40 km de extensão). A estrada é cercada de paisagens deslumbrantes, incluindo locais para pesca liberada, passeios de barco, almoços e bebidas típicas.

Disponibilizamos abaixo dois trajetos possíveis. Para o trajeto simples, os custos médios serão de R$27,30 de pedágio (ida e volta), R$50,00 de combustível (carro com média de 10km por litro), além de R$5,00 para a Balsa. Totalizando R$82,30.

Para o trajeto alternativo, os custos médios são de R$27,30 de pedágio (ida e volta), R$80,00 de combustível (carro com média de 10km por litro), sem necessidade de balsa. Totalizando R$107,30.

Trajeto mais fácil *(por Bertioga)


Exibir mapa ampliado

Trajeto alternativo *(por Guarujá)


Exibir mapa ampliado

Paranapiacaba é um distrito de São André, localizada no extremo leste da Grande SP, local que abriga parte da história das ferrovias do Século XX. No ‘Como Chegar’ dessa semana, vamos indicar as melhores opções para visitar Paranapiacaba gastando pouco e aproveitando muito.

Para quem mora na Zona Oeste (Osasco, Carapicuíba, Barueri, etc...), a melhor opção é a CPTM, com baldeação para o Metrô e, por último, um ônibus regional.

O caminho é> Utilize a CPTM (Estações da linha Diamante – Júlio Prestes/Itapevi), desça na Barra Funda e baldeie para o Metrô (Linha Vermelha). Desça na Estação Brás e –novamente- baldeie para a CPTM (Brás-Rio Grande da Serra); Desça na última estação da linha (Rio Grande da Serra) e atravesse a linha de ferro até chegar ao ponto de ônibus central (informe-se com os moradores, a distância é de pouco mais de 50m). No ponto, pegue o ônibus ‘Paranapiacaba’, ao custo de R$3,20.

Por esta sugestão de rota, gasta-se ao todo R$12,40 ida e volta. Utilizando o carro, pela Via Anchieta e, na saída 29A, na vicinal que leva até a Índio Tibiriçá, passando pelo centro de Rio Grande da Serra e seguindo pela Estrada da Solvay, o valor pode chegar próximo de R$50,00 (120km ida e volta, custo gasolina).


Exibir mapa ampliado

O que fazer em Paranapiacaba

Trilhas, cachoeiras, comida caseira, pousadas históricas, vista para o mar, clima agradável.

Para saber detalhes acesse http://www.paranapiacabaecotur.com/

A Cachoeira da Fumaça está localizada entre Rio Grande da Serra e Paranapiacaba (Santo André - SP), numa entrada sem identificação beirando a estrada SP-122 (conhecida como Rio Grande-Paranapiacaba).

Por se tratar de uma estrada sem pontos para obter informações (as casas são distantes e poucos pedestres e carros circulam na estrada) é fundamental o uso de transporte público.

Conforme trouxemos em matérias anteriores, as opções de transporte até Paranapiacaba são variadas e de fácil locomoção. Utilize a CPTM e gaste menos de R$8 reais até o Distrito de Paranapiacaba. As informações a seguir são para uso de pessoas experientes em trilhas e em boas condições físicas.

Uma vez em Paranapiacaba, será necessário a utilização de ônibus (sentido Rio Grande da Serra) - ou seja- basta voltar pelo mesmo trajeto que o levou até o centro do Distrito. Estacione o carro lá. O motivo dessa ida e vinda é pelo fato de não se ter onde deixar o veículo na entrada da trilha. Caso utilize transporte público, peça ajuda para o motorista do coletivo (em sua maioria solícitos e dispostos a ajudar) para que sinalize onde é a entrada da Trilha da Cachoeira (aproveite para fazer isso já no trajeto de ida antes do centro).

Em média, a entrada fica a 7 minutos do centro do distrito. É fundamental estar acompanhado de alguém que já tenha feito a trilha, são diversos os casos de grupos perdidos na mata fechada no segundo trecho da caminhada.

Por se tratar de uma trilha com diversas nascentes e acúmulo de água das chuvas, desde a entrada até cerca de 40 minutos depois é um caminho rodeado de lamaçais, poças e terrenos escorregadios. Se prepare, um calçado Timberland, Macboot ou similar é fundamental.

O segundo trecho da trilha é um desafio de equilíbrio, onde um corredor natural cercado por mata alta e absolutamente preservada divide espaço com uma veia d’água. Aproveite esse trecho para limpar suas botas com a água pura.

No terceiro e último trecho, a caminhada é por um rio de correnteza leve e com pedras salientes, causando escorregões aos mais desatentos. Para chegar até a Cachoeira da Fumaça, basta seguir reto, sempre pelo rio. É fundamental marcar a posição de reentrada do terceiro trecho para não se perder na volta.

A cachoeira permite visão privilegiada do litoral (Santos e Guarujá) e, em dias limpos, permite visualização até mesmo de navios rumo ao Porto de Santos. A água do rio é limpa, porém recomenda-se não beber por riscos de doenças decorrentes de águas não tratadas.

O PlanetaOsasco vai oferecer em breve o caminho de trilhas atreladas a uma rota por GPS, associada ao Google Maps. Com esse serviço, os caminhos ficarão ainda mais fáceis para quem deseja se aventurar.

Grau de dificuldade: Médio
Tempo médio: 3:00 horas
Grau de declínio: Médio
Percurso alternativo: 7 km
Indicada: grupos adultos e jovens, não sedentários.
Informações adicionais: área de microclima com alto índice pluviométrico sujeita a neblina e variações climáticas bruscas.

Equipamentos:
Roupas leves, de preferência uma para frio e uma para troca.
Capa de chuva
Tênis ou Bota já amaciado, tendo um para troca, nunca estrear novo calçado
Meia tipo soquete e uma de sobra
Mochila pequena
Lanche leve
Boné ou chapéu
Repelente, de preferência de citronela
Protetor solar para dias de sol
Saco plástico para lixo

Redigido após visita ao local e com recomendações do Guia de Paranapiacaba

Imagens: Arquivo Panoramio e Arquivo pessoal Jornalista Gabriel Martiniano.

No Mapa abaixo, oferecemos o melhor caminho até a entrada da trilha, na Rodovia Rio Grande-Paranapiacaba.

Entrada da Trilha;


Exibir mapa ampliado

Receba gratuitamente nossa revista online. Semanal.
Publicidade